quinta-feira, 8 de abril de 2021

Limpe e renove cada de seus órgãos

 

Limpe e renove cada de seus órgãos


Já falei, em outro texto “Léptons, Quarks e Glúons” como o cérebro, nossa mente, comanda todo o funcionamento de cada tijolinho de nosso corpo, nossa pele (nosso invólucro), e todo seu conteúdo, e como podemos interferir nestes comandos.



Vou agora dar um passo a mais na integração desses tijolinhos, examinando nossos órgãos específicos, e como limpá-los e regenerá-los para um tempo anterior, se possível, para quando nos tornamos adultos maduros.

Primeiro vamos entender o que são o baço e a medula óssea e suas funções.
Se você já souber tudo sobre o que são e como funcionam o baço e a medula óssea, ou não quiser ler este resumo sobre eles, clique aqui e vá diretamente aos exercícios.

baço, age como parte integrante do sistema linfático e vascular, ocupando uma posição única que lhe permite eliminar micro-organismos patogênicos e destruir hemácias anômalas, alteradas ou envelhecidas. Ele também retira o ferro a partir da hemoglobina dos glóbulos vermelhos para seu posterior uso pelo organismo, assim como substâncias residuais como os pigmentos biliares para sua excreção, na forma de bílis, através do fígado. Fabrica anticorpos contra diversos tipos de células do sangue e micro-organismos infecciosos; atua como reservatório de sangue e de outras células sanguíneas.

medula óssea, também conhecida como tutano, é um tecido gelatinoso que preenche a cavidade interna de vários ossos e fabrica os elementos do sangue como: hemácias, leucócitos e plaquetas. Se a produção de hemácias e plaquetas é de fundamental importância para a saúde, os leucócitos, que fazem parte do sistema imunológico do organismo, têm por função o combate e a eliminação de micro-organismos e estruturas químicas estranhas ao organismo por meio de sua captura e também produção de anticorpos.

Importante também, aqui para nosso caso, a medula óssea contém células-tronco, que podem originar qualquer outra parte do corpo, inclusive a placenta para o desenvolvimento de um feto.

Assim, temos um duplo sistema de limpeza de órgãos e células e outro de regeneração celular. O cérebro, tem um sistema específico, em paralelo ao sistema circulatório, pois o cérebro não tem sistema linfático; foi batizado como sistema glinfático.

Limpando e regenerando seus órgãos 

Embora você já saiba de cor as coisas óbvias, repito:
Sua saúde depende de alimentação sadia e balanceada (com exceções não frequentes permitidas, apreciadas, e mesmo desejáveis...), algum exercício físico, e água, muita água.
Os hiperlinks servem apenas para quem tenha curiosidade sobre os termos e expressões usados; não é fundamental que você veja cada um.

1– Limpando
Isto você pode fazer a qualquer dia ou hora, em pé, sentado ou deitado, desde que esteja num ambiente em que consiga se isolar do que acontece a seu redor; com o tempo você poderá fazê-lo mesmo em qualquer ambiente.

·       Sinta sua pulsação, “sinta” o sangue atravessando o baço, carregando-se de anticorpos, “sinta” a corrente sanguínea atravessando a medula de seus ossos maiores e, especialmente os das costelas, carregando-se de mais anticorpos e de leucócitos, ou glóbulos brancos, com uma fome danada de comer tudo que for estranho ao funcionamento perfeito de seu corpo (inclusive coisas que se agarraram a artérias, veias, órgãos, como gorduras e organismos estranhos).
·          Uma vez o sangue carregado de “limpadores”, comece a sentir sua respiração e o sangue funcionando cheio de vassourinhas, limpando-o todo de baixo acima (ou vice-versa), desde seu invólucro e a todos os alvéolos pulmonares. Temos que começar pelos pulmões, pois são a fonte primeira de purificação do sangue (adiante você tratará dos outros órgãos de limpeza).
·          Se você é fumante, se possível não deixe de fumar até o final do tratamento para depois comparar resultados.         
·          Perceba o sangue que sai dos pulmões limpo, e só carregado do oxigênio, e dos elementos figurados do sangue, reforçados pelos anticorpos e glóbulos brancos adicionados.
·       sangue assim preparado vai para a aorta, que o envia para todo o sistema circulatório, direta e principalmente para as artérias coronária, carótida e braquial.

·       Comece pelas coronárias, e “sinta” que suas coronárias estão sendo varridas por uma corrente de sangue novo, cheio de “limpadores” que levam de roldão qualquer elemento estranho e, principalmente, placas de gordura; perceba o sangue das coronárias circularem por todas suas ramificações e pelo interior do coração; espere alguns segundos para então ver que os dejetos e detritos foram limpados pelos rins, voltam para os pulmões, de lá recomece a circulação para completar a limpeza em outros órgãos.

·       Continue sentindo o fluxo subindo pelas jugulares, esquerda e direita, limpando as carótidas[1], entrando pela base do cérebro, e se encaminhando por todo ele e pela miríade de vasos sanguíneos que alimentam e limpam cada neurônio; e sua volta pelas veias traseiras esquerda e direita, carregando toda a sujeira, ao lado e em paralelo com o sistema glinfático (mas não precisa pensar neste sistema, concentre-se no sangue saindo do cérebro e indo para a limpeza primária nos rins e oxigenação nos pulmões).

·       O sangue continua jorrando pelas jugulares e agora desce pela coluna cervical, abastecendo e limpando todas as veias que percorrem todo o sistema nervoso, do pescoço, da face; de cada feixe de nervos que partem de cada disco intervertebral (não precisa saber este nome, é a separação entre as vértebras); a par de tratar do sistema nervoso, você acompanha o fluxo limpando cada órgão no caminho de cada feixe e que você percebe começando pela cabeça, olhos, sistema auditivo, conjunto buco-maxilar; continuando pelos ombros, braços, tórax, abdome, pernas, sistema respiratório, coração, estômago, intestinos, fígado, baço, rins, aparelho gênito-urinário, medulas ósseas, e todas as glândulas associadas a cada deles. “Veja” por exemplo, seu fígado (que, aliás é uma glândula, a maior glândula e o segundo maior órgão do corpo humano, logo atrás da pele) sendo limpo da esquerda para a direita, e chegando ao final à sua cor normal, vermelho-escuros, lisinho por fora...    

Termine o exercício e fique tranquilo, relaxado, por um a dois minutos.

2– Rejuvenescendo

Muito embora este exercício possa ser realizado independentemente do anterior, deve ser utilizado apenas depois que você já tiver feito ao menos uma vez ou duas o exercício de limpeza, pois na prática os procedimentos são muito similares e este, ao ser feito, pode também incluir, “como bônus”, uma ligeira repetição de limpeza.

Mesmas observações quanto ao ambiente.

·       Comece sempre com os pulmões enviando sangue para o coração; concentre-se no coração enviando sangue diretamente para passar por suas medulas ósseas, fêmures, tíbias, úmeros, rádios e ulnas (antigo cúbito), dos dedos, artelhos, e, como já sugeri anteriormente, principalmente pelas medulas dos ossos das costelas; perceba esta passagem insistindo que a corrente sanguínea se enriquece de mais e mais células-tronco. 
    Como corolário, claro que o sangue também será enriquecido com anticorpos e leucócitos.

Sugiro a mesma sequência da “limpeza”:
·          Sinta sua pulsação, “sinta” o sangue atravessando a medula de seus ossos.
·       Uma vez o sangue carregado de células-tronco, vou chamar de “regeneradores” daqui para frente, comece a sentir sua respiração e o sangue esfregando regeneradores, em todas as células de todos os alvéolos pulmonares.
Novamente sugiro que, se você é fumante, se possível não deixe de fumar até o final do tratamento para depois comparar resultados.

·       Dos pulmões, comece pelas coronárias, e “sinta” que suas coronárias estão também sendo preenchidas por multidões de regeneradores, substituindo ou complementando células, deixando-a linda, como eram ao você entrar na maturidade e delar irrigando todas suas ramificações, todo o músculo cardíaco e seu interior.

·       Continue sentindo o fluxo subindo pelas jugulares, da esquerda e direita renovando as carótidas, e se encaminhando por todo o cérebro e pela miríade de vasos sanguíneos que alimentam cada neurônio.

·       O sangue continua jorrando pelas jugulares e agora desce pela coluna cervical, lentamente regenerando todas as veias que percorrem todo o sistema nervoso, do pescoço, da face; de cada feixe de nervos que partem de cada junção de vértebras e, a par de regenerar o sistema nervoso, você acompanha o fluxo regenerando cada órgão no caminho de cada feixe e que você percebe começando pela cabeça, olhos, sistema otorrino laringular, auditivo, conjunto buco-maxilar; continuando pelos ombros, braços, tórax, abdome, pernas, sistema respiratório, coração, estômago, intestinos, fígado, baço, rins, aparelho gênito-urinário, medulas ósseas, e todas as glândulas associadas a cada deles.

Faça tudo com a maior calma possível, trabalhando cada órgão e glândula, detendo-se mais ainda nos que a seu ver ou sentimento são os mais importantes para você   

Termine o exercício e fique tranquilo, relaxado, por um a dois minutos.

Para ver se os exercícios funcionam, faça exames de sangue os mais completos que possam e ao menos uma radiografia de tórax frente e lateral antes de começar tudo.

Faça a mesma coisa depois de dois meses de tratamento regular.

Se não tiverem melhorado muito ou ao menos um pouco, reclame! Procurarei retribuir seu esforço com oferta de algumas risadas (que indiscutivelmente são fonte de saúde), alguns textos leves e engraçados.

That’s all for now, folks...

Saúde, Léptons, Quarks e Glúons

 

Saúde, Léptons, Quarks e Glúons

Health, Leptons, Quarks and Gluons


Ora, que história é essa de saúde misturada com partículas fundamentais?

Pois saiba que estes trecos com esses nomes pouco conhecidos são, em grande parte, senão totalmente, base fundamental de nossa saúde.

Cada pedacinho de tudo, inclusive nosso corpo é constituído, bem lá no fundo, na raiz, de combinação de todos.[1]

Cada pedacinho de nossa pele, fígado, baço, ossos, cérebro, .... é constituído de células que, por sua vez, são compostas por elementos químicos, como o carbono, o hi­drogênio, o oxigênio e o nitrogênio. Esses e outros elementos presentes em menor quantidade fazem parte dos compostos inorgânicos e orgânicos que a constituem. 

Todos, portanto, dependendo da harmonia e unidade de Léptons, Quarks e Glúons, que giram, oscilam, são ao mesmo tempo matéria e onda.
Num corpo saudável, toda esta agitação permanente é como uma sinfonia harmoniosa e linda; num corpo doente, a agitação está em desordem, a “música” é uma cacofonia irritante.

Mas, além da medicina tradicional, há uma forma heterodoxa, mas eficiente e eficaz para curar doenças e manter a saúde, que intuí e uso, com sucesso.



[1] E é ainda mais complicado: Existem seis tipos de quarks, conhecidos como “sabores”: up, down, strange, charm, bottom e top; mas apenas dois realmente nos interessam, dada a sua importância na formação das partículas subatômicas. São eles: quarks Up e Down. Para que Quarks possam formar matéria, bem, aí entram os Glúons. E, para completar a construção de nós mesmos, entram os Léptons.
................................................................................................................,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,......................


1 - Deitado de costas e relaxado, de início sugiro começar os exercícios só ao sol, sentindo e fruindo a energia entrando em seu corpo; feche os olhos e lentamente imagine seu invólucro e conteúdo – a pele e tudo que está dentro dela – se tornando como uma massa sólida, sem rachaduras ou interstícios, inteira, mas plástica, como uma grande gelatina de consistência firme.

2 – Lentamente vá deixando que esta massa se transforme naquilo que é: um conjunto de infinitos tijolinhos pontuais, que vibram, se tocam, dançam. Use a energia térmica, o calor que você sente ao sol como fonte primeira para organizar a “orquestra” de partículas, em ondas harmônicas. 


3 – Sinta, então que centenas de trilhões de neutrinos atravessam seu corpo[1], limpando os mínimos espaços entre Quarks e, por consequência, a você.   

Para sentir os efeitos, faça isto sempre que o sol aparecer, muitas vezes. Depois, você poderá fazer os exercícios a qualquer hora do dia ou da noite, pois a energia do sol e firmamento estão sempre presentes, mesmo que do outro lado da terra.

Aqui estou eu, aos 81 aninhos de idade para provar que funciona; meus exames médicos sugerem que minha saúde seja parecida a de que eu tinha aos 40 anos. Claro que ajudo tomando multivitamínico uma vez por dia, e vitamina C 500, E 400 e Gingkobiloba 80[2] duas vezes ao dia.



Experimente e, dando resultado ou não – depois de ao menos um mês de tratamento – comente aqui. 


[1] As probabilidades de um neutrino atingir um quark de seu corpo são menores que ganhar 56 vezes na loteria como disse ter conseguido como o deputado baiano, João Alves um dos “Anões do Orçamento”. E, se acontecer, nada importa: a explosão de um neutrino, por sua infinitesimal massa, com um Quark será zilhões de vezes menos que a de um traque de festa junina.
[2] Gingkobiloba é muito importante para o cérebro, memória, e para afastar “o Alemão”.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

 


 

Neste caso...

CHAMA A BARBINAAA!

Tião, Sebastião Maria Rosalvinho da Silva, caboclo dos cafundós do interior de São Paulo, atarracado, mas musculoso, novo ainda em seus vinte e muitos anos, rugas talhadas pelo sol da capina, mãos calejadas pela enxada e foice, argúcia e atenção para ver cobras e bichos perigosos, evitar carrapatos, imaginar meios e armadilhas, enquanto ia trabalhando com o cigarro de fumo de corda raspado a canivete enrolado em folha de milho bem alisada, pendurado no canto da boca; 

como bom fumador de cigarro de palha; sempre que apagava, o reacendia com a pedra de pederneira da pistola enfiada no cós da calça.



Queria coisa “mió” que o pago da semanada para si e irmã, melhorar a casinha de pau a pique.

Curso primário terminado com dificuldade em cinco anos, não tinha como pensar no que aparecia de vagas em escritórios ou como atendente de lojas.

Eis que Seu Gumercindo, seu tio-primo, aparece domingo para o café ralo em sua casa e, papo vai e vem, conta que viu tabuleta na estação pedindo guarda-chaves.

− Oba! Esta é pra mim!

Segunda cedo, pediu folga para o patrão; às oito estava sentado no banco de passageiros da estação.

Astrolábio, neto do ex-Prefeito da cidade, abriu o escritório às nove, com Tião quase grudado a ele.

− Oi, Tião, como vai? Que precisa?

− Quero ser o novo guarda-chaves.

− Senta aí; espera um pouco.

Astrolábio abriu as janelas, espanou o pó do armário, mesa e dadeira, passou flanela no telefone da linha pendurado atrás da mesa, tirou o auscultador do gancho para certificar-se que estava funcionando, colocou o caderno de registros, lápis, caneta, tinteiro e mata-borrão sobre o linóleo. Sentou-se.

− Tião, você sabe o que é o trabalho de guarda-chaves?

− Sei sim Sinhô.

− Gosto de você, de seu jeito, sei como é trabalhador; mas a estrada de ferro exige que faça uns testes para poder ser aceito.

− Vâmu lá, Seu Astro.

− É o horário da noite. Suponha que você vê o farol do trem de cargas do sul vindo em direção à Estação, olha para o outro lado e vê o farol do leiteiro que vem do Norte, mas na mesma linha: o que você faria?

− Pego a alavanca, puxo, abro a linha da isquerda pro leitero deixo a principá pro di carga.


− Muito bem! Mas a alavanca está enferrujada.

− Pego a armotolia, i passo óio pra disimperrá.


− Certo! Ainda assim, a alavanca não funciona.

− Pégu uma lanterna, corro i ponho lôngi prus nórti, traveis  pégu ôtra i  ponho nos sur.




− Mas as lanternas estão sem óleo; e daí? 

− Gárru um monti di gravêtu, faço uma fuguera pros nórti i ôtra prus sur.


Boa resposta! Mas está chovendo muito...


− Daí intâum vô chamá a Barbina.

− Chamar a Barbina? Quem é a Barbina?

− É minha irmã, vô gritá:


sábado, 15 de agosto de 2020

Meu canto e um conto II - O Indulto

 Leia em https://medium.com/@blogflaviomusa/flavio-musa-f232cc183ff3

domingo, 12 de abril de 2020

Imunização em meu pedaço, em tempos do tal Coronavírus. Insólito? Não sei.



Tenho impressão de que todas as pessoas do Município de Conceição do Rio Verde estão imunizadas para este tal de Covid 19.
Talvez também aconteça em outros com características semelhantes.
Quinta feira passada, dia 8 de abril, fui de novo à cidade para fazer compras.
Já havia estado lá há uma semana ou dez dias.

Muita gente caminhando tranquilamente, sós ou em famílias se dando as mãos, não encontrei ninguém nas ruas usando máscaras; bares não lotados como em tempo normal, mas bem cheios de gente junta em mesas e mesinhas. 
Pessoas chegam dos bairros, da zona rural; de cidades próximas, verificadas como sadias nas barreiras, mas que podem estar contaminadas sem qualquer sintoma.

No mercado ITA, só duas das atendentes nos caixas com máscaras, dois ou três funcionários com máscaras, alguns me atenderam para indicar onde estavam produtos, eu afastado, eles se chegaram bem junto a mim.


No mercado Torres, mesma coisa. 


Na farmácia pequenina, já havia uma pessoa; nenhum atendente de máscara, entrei, comprei, "Volte sempre". 


Divertido mesmo foi numa loja: 


Na porta há um aviso: "Atendimento um por vez". 

Respeitoso, fiquei parado na soleira da entrada.

Dentro, um senhor de idade, mais novo que eu, magrinho, de chapéu parecido com o meu, mas com abas mais largas, fazia baita discurso, que ia cancelar sua inscrição não sei em que, pois não enviaram gente ou socorro para atender a filha ou sobrinha. 
"Mas agora já paguei um médico e a levei!". 

E repetia, repetia, e perdigotava para a senhora no caixa e O (único) atendente, a muito menos de um metro de distância; eu... esperando.

Passou por mim homem, mais baixo que eu, acreditem, meio gorducho; estranhei, mas era o gerente da loja, acho.

O furibundo senhor começou a repetir a lenga lenga para ele; a páginas tantas agarrou o cara, ficou cochichando em seu ouvido.

Não! Ele não estava bêbado. Encerrado nalgum longínquo canto da Zona Rural, estava aproveitando para falar com outras gentes, conversar; mas não dava folga para ouvir, precisava se "gambar" do que fez e do que prometeu fazer, o velho machão. 

Já havia uma senhora atrás de mim, a uma distância recomendada.

Paciência e respeito têm limites; falei alto: Assim que terminar esta conversa posso entrar?

Oi, senhor, desculpe, pode entrar, disse a senhora.

Eu só ia comprar o doce de leite delicioso, para quem gosta de doce, portanto para minha esposa, e queria um tipo de spray que ela comprara ali, bom para mandar insetos para a paz; o rapaz foi até o fundo comigo, mas tinha acabado.

Fui pagar; o velho lá continuava!

Esperei até que, enfim, a senhora me chamou. 

Paguei; ela colocou a sacola no lado oposto de onde o velho, mãos apoiadas no balcão, à guisa de púlpito, detalhava sua epopeia. 

Assim é a quarentena em terra de gente forte, calejada, sobrevivente de tantos ataques de vírus: talvez imunização cruzada, dizem médicos e cientistas.

Saudável e contente até hoje, cá estou.

Em meu bairro, Águas de Contendas, o isolamento horizontal é coisa de sempre, frio, calor, vírus ou não.

Imagine precisar de isolamento em distrito que, segundo o IBGE, tem

Área territorial  :  369,681 km² (2018)
População Estimada : 13.638 (2019)
36,89 habitantes por km²

Dureza o pobre vírus encontrar cliente aqui!

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Gente humilde sem vontade de chorar

Sonho vivendo; vivo novo sonho.
De novo. 
Por quanto tempo não sei.

E por aí vai o cardápio do Jhony’s Bar e Restaurante (sic), aqui ao lado do Edifício Anchieta, onde moro, com porções que dão para duas pessoas famintas e tudo já com um monte de salada ou o que se desejar. Se lá almoço já saio com a janta; se ao contrário, o contrário idem.


Uma negra e uma mulata, entre seus trinta e poucos e quarenta, duas mesas adiante, já pediram a terceira Brahma.
Conversam, fofocam, riem às pampas.
Entra um casalzinho jovem de branquelos azedos, chega à sua mesa: abraços, beijos, alegria em se reverem, a despeito da diferença de idades.  “Tcháu! Deus os acompanhe… A vocês também!”.

– “Oi, professor! Que vai querer hoje?”
– “Professor, você já sabe!…”
– “Letras ocultas e ciências apagadas, né?”… risos.
– “Hoje sou Mestre. Mestre Sala da Unidos da Muleta e da Bengala”.
– “Tá bom, bengala é com o Senhor… E então?”
– “O que está mais fresco, carne, porco, frango ou peixe?”
– “Tudo aqui está sempre fresquinho!”
– “Vá lá então: um filé de frango bem passado com um pouquinho de arroz e batatas cozidas. Sem pimenta, né?”
– “E…?”
– “Sim, uma Brahminha pequena gelada e um cinzeiro ao natural”
– “É pra já!”

Olho a televisão: A Fátima e o Bonner movimentam os lábios; não dá para escutar nada. Prefiro a realidade ao redor.

Dois motoristas pedem cafés (cafés melados, já coados com açúcar! É isto aí: pobre toma esta coisa por 55 centavos…). Um me cumprimenta.

Chegam a cerveja e o cinzeiro; fumo um cigarro e “me garro a cismá”.

Dois jovens também entre os trinta e muitos e quarenta sentam-se à mesa perto da porta, de esguelha para a minha. Não vi o que pediram, mas já têm uma Brahma e um cinzeiro e fumam. Falam baixo: aqui ninguém fala alto, ninguém alardeia o último carro, cavalo, ou iate comprado (mas quase todos têm seus carrinhos). Gente educada. Gente que é.

Chega meu rango; enquanto como entra um casal, ela de seus trinta e muitos, ele de seus quarenta e muitos mais, talvez cinqüentas. Sentam-se à mesa em minha frente.

Mesmo que falem baixo entendo que ele é argentino, ela patrícia. Conversam; ele passa continuamente o braço por seus ombros; ele fala, bem baixinho, coisas em seu ouvido; beija-a na testa, no rosto, no pescoço. Às vezes conversam normalmente.

Termino meu jantar e acendo um cigarro.

O senhor argentino vira-se com um cigarro nas mãos. Pensei que fosse me pedir o isqueiro. Diz: “Agora que o senhor terminou seu jantar, vou fumar”.
Fico besta!

Disse: “Senhor, eu sou fumante, o senhor poderia ter fumado todo o tempo!”
– “Não, só agora que o senhor terminou.”

Os dois fumam e eu continuo a imaginar se cena como esta poderia ter ocorrido em qualquer dos restaurantes “chiques” que já conheci e frequentei.  
Aqui, Garçons Gente. Gente simples e real. Iguais; sem frescuras. 
Não nos olham de alto abaixo como em tantos lugares “In”, onde se paga os tubos, e em que pretendem que sejamos menos (ou pensem que somos mais) que eles…

Vida, cheio de vida. 

De dia e de noite.

Clique no assunto para acessar as respectivas postagens:

acordar (1) ajuda a adiantados. (1) ajuda a iniciantes (1) alcançar (1) álcool (1) alegria (2) além (1) alma (1) amar (1) amizade (1) amor (2) Anabela Gradim (1) angústia (1) Ano Novo (1) António Fidalgo (1) Antrópico (1) aposentadoria (1) aprendizado (1) Apresentação (1) argonautas (1) asteróide (1) ateísmo (1) ateísmo militante (1) autossuficiência (2) Azagaia (1) Bacamarte (1) barbárie (1) batida (1) bebado (1) bebedeira (1) Beleza (1) Big Bang (1) bombardeio (1) boto (1) Brahms (1) Brasil (1) brinde (1) Bunker Roy (1) buraco (1) busca (1) cabeça (1) cabecinha (1) cadeira (1) Caminho (1) câncer (1) Carl Sagan (1) carro elétrico (1) caseiro (1) cérebro (1) Chico Buarque (1) China (1) ciência (2) Ciências (9) cinema (1) Claudio Villas Boas (1) cocô (1) comportamento (1) comprovado (1) comunismo (1) concussão (1) consumo de energia (1) conteúdo (1) continente (1) Conto (2) Contos (1) Corpo (1) cortisol. (1) Covid (1) crânio (1) criança (2) crianças (2) crônica (3) cuidados (2) curiosidades (1) dedicação (1) Delfos (1) Depressão (1) desastre (3) Desbravar (1) Descartes (1) Descobrimentos (1) descontrair (1) desenho (1) desidratação (1) desidratação. (1) Desígnios (1) destino (1) detritos (1) deuses (1) devoção (1) Dia Novo (1) diagnóstico (1) dicas (1) dislexia (1) Ditadura (2) DNA (2) doença (1) doença de criança (1) dor de barrida (1) E não houve tempestade em Tóquio (1) Einstein (1) eletricidade (1) eletrólitos (1) eletromagnetismo (1) Embornal (1) energia (1) entanglement (1) entranhas (1) entropia (1) epistemologia (1) Equador (1) erotismo (1) escovar dentes (1) Esperança (3) Estados Unidos (1) estrutura (1) estudo (1) estudos (1) etnia (1) exercício (1) exercício físico (1) fábula (2) falta de ar (1) Fellini (1) Fernando Pessoa (1) ferroviário (1) Feto (1) filhos (1) Filosofia (5) fim dos tempos. (1) Final (1) Finalidade (1) fingindo (1) fios (1) Física (8) Física Quântica (2) folclore (1) Fritjof Kapra (1) fumo (1) fúria (1) futuro (1) Ganhos (1) gastroenterite (1) genitais (1) genitália (1) gênito urinário (1) geologia (1) Glória (1) gratidão (2) Guarujá (2) guerra (1) Haikai (1) Harlan Coben (1) Hedy Lamarr (1) Heisenberg (1) heterodoxia (2) hidratação (1) hidrogênio (1) hiperespaço (2) História (4) história da física (1) holismo (1) holocausto (1) hpv (1) Humor (1) identidade (1) iluminação (1) imortal (1) imune (1) imunizado (1) Índia (1) infecção (1) infortúnio (1) Insônia (1) inútil (1) Invenção (1) investigação (1) irmão (1) Isaac Newton (1) isolamento (1) ISRS (1) Jasão (1) João Villaret (1) Judaismo (1) Kindle (1) Kobo (1) laranja (1) Leituras e Anotações (9) lembranças (1) lembranças tratamento (1) lenda (1) Letícia Martins (1) links sérios (1) literatura (12) literatura.poesia (1) Livraria Cultura (1) livro (2) lógica (1) Louvor (1) luz (1) maçã (1) mãe (1) Maeve Blinchy (1) mar (1) Mastroianni (1) matemática (2) medicina (2) memória (1) memórias (1) menino (1) mensagem (1) mental (1) mentiras (1) meta (1) Metrô de São Paulo (1) Michio Kaku (4) Miguel Sousa Tavares (1) minhoca (1) Mônica Martins (1) Monolito (1) motor (1) Movimento Pés Descalços (1) mulher (1) murmúrio (1) músculos (1) Música (2) nada (1) Navegação (1) nebulização (1) neurônios (1) Newton (1) Newton da Costa (1) Nick Bolstrom (1) Nick Bostrom (1) Nova York (1) o nada (1) objetivo (4) Odisseia (1) Olimpo (1) Omega 3 (1) ômega 3.6.9 (1) onde estou (1) origem da vida (2) Orlando Villas Boas (1) ortodoxia (1) ouvir estrelas (1) pacientes (1) Paixão (1) paleontologia (1) paliativo (1) panorama (1) papiloma (1) Paris (1) Partículas (1) passado (1) passeio (1) passo (1) Paz (1) pediatria (1) pele (2) Penélope (1) pênis (1) Perdas (1) Perdas e ganhos (2) perseguir (1) petróleo (1) Pitangueiras (2) Pitkanen (2) planeta (1) poema (2) poesia (17) Poesia e poemas (2) Popper (1) posso (1) povos indígenas (1) Pra Quê? (1) praia (1) Principia Mathematica. (1) prisoneiro (1) Provocações e Desafios (5) Purgatório (1) quem é (1) rápido (1) realidade (2) realizar (1) Recife (1) recomendações (1) Rede (1) Reminiscëncias (4) respeito (1) Richard Dawkins (1) Robert Paster (2) Roger Penrose (1) romance (1) Russia (1) sabedoria (1) sabido (1) sadio (1) saída (1) saudade (1) Saudades (1) saúde (6) saúde criança (1) Segunda Guerra Mundial (1) Segurança Aérea (1) semiótica (1) sentido (1) serotonina (1) sexos. (1) sísifo (1) social-democracia (1) sofrimento (1) sol (1) solução (1) sonhador (1) Sonho (4) Stephen Hawking (3) suco de laranja (1) sucos (1) sufoco (1) Sundries (25) superação (1) sussurro (1) susto (1) Tabacaria (1) tabaco (1) taça (1) tecnologia (1) Telêmaco (1) Teoria Antrópica (1) teorias (1) teorias da conspiração (1) terminal (2) TGD (1) The God Delusion (1) Thomas Kuhn (1) trabalhador (1) Trabalhar em casa (1) Trabalho (1) Trabuco (1) tradição (1) trapaças (1) tratamento (5) Trilha (1) Ugo Volli (1) Umberto Eco (1) universal (1) Universidade Barefoot (1) universos (1) urgência (1) UTI (1) útil (1) utopia (1) vacina (1) vagina (1) vaidade (1) vazante (1) Velocino de Ouro (1) Veneno (1) verdades (1) verificado (1) vida (3) vídeo (1) videos (1) vitória (1) Você sabia? (2) vulcões (1) Was the universe made for us? (1) Whisky (1) Zarabatana (1) Zumbi (1)